Funções executivas, aspectos emocionais e a eficácia de um programa de treinamento técnico para profissionais de telemarketing

Autores

  • Cristiano de Jesus Andrade Universidade Ibirapuera, São Paulo/SP, Brasil. Autor
  • Carla Terezinha Palhavã Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo/SP, Brasil. Autor
  • Áquila Negrini da Silva Unifaveni, Guarulhos/SP, Brasil Autor
  • Antonio de Pádua Serafim Universidade de São Paulo, São Paulo/SP, Brasil. Autor

DOI:

https://doi.org/10.61411/rsc202432017

Palavras-chave:

Funções Executivas; Memória; Atenção; Aprendizagem em Adultos

Resumo

Objetivando analisar a associação entre as Funções Executivas (FE), aspectos emocionais e a Eficácia de um Programa de Treinamento Técnico para Adultos, adotou-se como método a pesquisa quantitativa descritiva, com recorte transversal. Participaram 92 operadores de telemarketing, do tipo receptivo e ativo de vendas, recém-admitidos por uma empresa situada em São Paulo/SP. 54 são do sexo feminino e 38 do sexo masculino, com idade entre 19 e 58 anos. Foram avaliados por testes psicológicos validados, visando compreender características da personalidade e cognitivas, além de, participarem do Programa de Treinamento de Produto. Foram testados em dois momentos, antes e depois da realização do treinamento. Como resultados, os aspectos da personalidade revelaram escores, dentro do esperado, para a população brasileira. Destacando escores baixos no fator Neuroticismo, onde se evidencia que a maioria dos sujeitos, tendem a serem mais emocionalmente estáveis e calmos, impactando menos em processos cognitivos. Na comparação pós-treino, o grupo apresentou elevação de 12% no desempenho do planejamento e 44,2% em relação à memória. Em todos os testes, em que foram avaliadas as Funções Executivas (FE) após a realização do treinamento, o desempenho foi maior e significativo, em relação à primeira aplicação. Assim, infere-se que a expressão de fatores de personalidade mais estáveis e treinos estruturados e controlados, colaboram para o melhor desempenho cognitivo.

Biografia do Autor

  • Antonio de Pádua Serafim, Universidade de São Paulo, São Paulo/SP, Brasil.

     

     

Referências

ARDILA, A On the evolutionary origins of executive functions. Brain and cognition. Brain Cognitive, v. 68, n. 1, p. 92-99, out. 2008. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.bandc.2008.03.003, Acesso em: 28 mar. 2023.

BADDELEY, A. Working memory: an overview. In: PICKERING, S. J. (org.). Working memory and education. Amsterdam: Elsevier Press, 2006.

COSTA JUNIOR, P. T. NEO PI-R: Inventário de Personalidade NEO revisado. NEO FFI-R: Inventário de cinco fatores NEO revisado (versão curta). São Paulo: Vetor, 2010.

DARWIN, C. A expressão das emoções no homem e nos animais. São Paulo, Companhia das Letras, 2009. (Original de 1872).

DIAMOND, A. Executive functions. Annual Review of Psychology, n. 64, p. 135-168, 2013. Disponível em: https://doi.org/10.1146/annurev-psych-113011-143750. Acesso em: 5 abr. 2023.

EKMAN, P. What scientists who study emotion agree about. Perspectives on Psychological Science, v. 11, n. 1, p. 31-34, jan. 2016. Disponível em: https://doi.org/10.1177/1745691615596992. Acesso em: 19 abr. 2023.

LENT, R. Cem bilhões de neurônios: conceitos fundamentais de neurociência. São Paulo: Atheneu, 2004. p. 698.

LEZAK, M. D. Neuropsychological assessment. New York: Oxford University Press, 1995.

LEZAK, M. D. et al. Neuropsychological assessment. 4. ed. New York: Oxford University Press, 2004.

LURIA, A. R. Fundamentos de neuropsicologia. São Paulo: Edusp, 1981. p. 346.

MUSSI, R.; ROCHA, S.; ALVES, T. Transtornos mentais comuns em quilombolas baianos, nordeste brasileiro. Psicologia Saúde & Doença, v. 20, n. 3, p. 698-710, 2019. Disponível em: http://dx.doi.org/10.15309/19psd200312

NAHAS, T. R. Nova perspectiva para tratamento de distúrbios atencionais. Vox Scientiae, v. 1, n. 2, 2001. Disponível em: http://www.eca.usp.br/ nucleos/njr/voxscientiae/reportagemtatiana2.html.

OHLWEILER L.; ROTTA, N. T.; RIESGO R. S. Transtornos da aprendizagem abordagem neurobiológica e multidisciplinar. Porto Alegre: Artmed, 2015. p. 9-48.

PENNINGTON, B. F. Diagnosing learning disorders: a neuropsychological framework. New York: Guilford Press, 1991.

PROETTI, S. Docência voltada para aprendizagem por compreensão: conceitos, conceptualizações e sínteses. São Paulo: Sociedade Educacional das Américas, 2018. v. 1, 200 p.

SANTOS, S. M. Um modelo integrado de atenção espacial e temporal. Revista da Fapese, v. 2, n. 1, p. 47-70, 2006.

SERAFIM, A. P.; RIBEIRO, A. E. J.; MALLOY-DINIZ, L. F. Funções executivas (pp. 121-129). In: Serafim, A. P.; Saffi, F. (org.). Neuropsicologia forense. Porto Alegre: Artmed, 2015.

STERNBERG, R. J. Psicologia cognitiva. 5. ed. Porto Alegre: Artmed. 2010.

STRONGMAN, K. T. A psicologia da emoção. Lisboa: Climepsi, 1998.

TONGLET, E. C. BGFM-4 - Bateria geral e funções mentais: teste de memória de reconhecimento. São Paulo: Vetor, 2007.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes 1991.

WALLON, H. Do acto ao pensamento. Lisboa: Moraes Editores, 1978.

Downloads

Publicado

2024-02-05

Edição

Seção

Ciências Humanas

Categorias

Como Citar

DE JESUS ANDRADE, Cristiano; TEREZINHA PALHAVÃ, Carla; NEGRINI DA SILVA, Áquila; DE PÁDUA SERAFIM, Antonio. Funções executivas, aspectos emocionais e a eficácia de um programa de treinamento técnico para profissionais de telemarketing. Revista Sociedade Científica, [S. l.], v. 7, n. 1, p. 595–613, 2024. DOI: 10.61411/rsc202432017. Disponível em: https://journal.scientificsociety.net/index.php/sobre/article/view/320.. Acesso em: 24 fev. 2024.