Força muscular respiratória e capacidade física funcional de indivíduos idosos com hiv/sida

Autores

  • Igor Miguel Nascimento Zanata dos Santos Universidade Federal do Triângulo Mineiro Autor
  • Guilherme Rocha Pardi Universidade Federal do Triângulo Mineiro Autor
  • Ana Carolina Zandonalide Lenza Autor
  • Roberto da Mata Lenza Universidade Federal do Triângulo Mineiro Autor
  • Júlio César Criscuolo Boson Universidade Federal do Triângulo Mineiro Autor
  • Airton Sena Oliveira Sales Universidade Federal do Triângulo Mineiro Autor
  • Bruna Lara Teodoro da Silva Universidade Federal do Triângulo Mineiro Autor
  • José Bento Fernandes Souza Universidade Federal do Triângulo Mineiro Autor
  • Leonardo Rodrigues de Oliveira Universidade Federal do Triângulo Mineiro Autor
  • Leonardo da Silva Almeida Universidade Federal do Triângulo Mineiro Autor
  • Gualberto Ruas Universidade Federal do Triângulo Mineiro Autor

DOI:

https://doi.org/10.61411/rsc20246217

Palavras-chave:

HIV/SIDA, Qualidade de Vida, Terapia Antirretroviral de Alta Atividade, Parâmetros respiratórios

Resumo

O processo de envelhecimento é progressivo, dinâmico e gera vulnerabilidade socioeconômica, psicológica, biológica e, além disso, devido às consequências do HIV/SIDA, esses indivíduos podem apresentar alterações nas funções respiratórias e musculares. Objetivos: analisar a força muscular respiratória e a capacidade física funcional de indivíduos idosos com HIV/SIDA (GHIV) e secundariamente comparar com o grupo controle (GC). Metodologia: Participaram do estudo 50 indivíduos com diagnóstico sorológico de infecção por HIV (GHIV), acompanhados por um médico infectologista e 50 indivíduos não soropositivos pertencentes ao GC. Os indivíduos dos GHIV e GC foram submetidos a uma entrevista constituída por anamnese, avaliação antropométrica, espirométrica, força muscular respiratória (pressão inspiratória máxima - PImáx e pressão expiratória máxima – PEmáx) e teste de caminhada de seis minutos (TC6). Resultados: Na análise, as PImáx e PEmáx foram menores no GHIV quando comparado com os valores preditos. Conclusão: Quando as consequências do processo de envelhecimento são somadas com os danos do HIV o idoso demonstra ter uma pior funcionalidade, havendo uma maior defasagem aos sistemas musculoesquelético e respiratório.

Biografia do Autor

  • Guilherme Rocha Pardi, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

    Possui graduação em medicina pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro (2000). Residência em Clínica Médica pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP .(2001-2002). Especialização em Geriatria e Gerontologia pela Faculdade de Medicina de São Paulo - USP. (2003-2004). Mestrado e Doutorado em Medicina Tropical e Infectologia pela UFTM (2006-2014). Possui Licenciatura em Ciências Sociais pelo IFET - Uberaba (2009-2013) Atualmente é Professor Adjunto de Saúde do Idoso e Geriatria da UFTM. Estuda sobre a infecção pelo HIV em Idosos. Também estuda sobre aspectos nutricionais do idoso. É tutor da Liga de Geriatria e Gerontologia da UFTM desde 2006. É membro da Equipe de Cuidados Paliativos da UFTM. Fellow FAIMER 2014 onde desenvolveu projeto sobre tutoria (Mentoring). Supervisor do Programa de Residência em Clínica Médica 2011-2015. Foi Coordenador do Departamento de Clínica Médica 2011-2014. Presidente da Associação dos Docentes - ADUFTM 2017-2019. Chefe do Setor de Ensino da Gerencia de Ensino e Pesquisa do HC-UFTM 2017-2019.

  • Roberto da Mata Lenza, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

    Graduação em Medicina pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro (1997). Residência em Cirurgia Geral pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro (1998-2000). Residência em Cirurgia Gastroenterológica pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro (2000-2002). Docente do Curso de Medicina na Universidade Federal do Triângulo Mineiro (desde 2021) na disciplina: Cirurgia do Aparelho Digestivo (CAD). Mestrando no Programa de Pós Graduação em Ciências da Saúde pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro (2021 em andamento). Coordenador da Liga do Trauma da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (2021-2022). Membro Cirurgião Associado da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (2022). Membro associado da Sociedade Brasileira de Videocirurgia (2022). Membro Adjunto do Colégio Brasileiro de Cirurgiões (2021). Membro da Associação Médica de Minas Gerais (2022). Membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Minimamente Invasiva e Robótica - Sobracil (2021). Supervisor da Residência Cirúrgica da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (2021).

  • Leonardo Rodrigues de Oliveira, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

    Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro em Uberaba, MG (1999-2004) com Residência Médica em Clínica Médica (2006-2008) e Hematologia e Hemoterapia (2008-2010) pela mesma universidade. Atualmente é médico atuando em Hematologia, Hemoterapia, Clínica Médica e Medicina Intensiva junto ao Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM) em Uberaba, MG. Atua com maior ênfase em atividades de orientação (Internato Médico, Programa de Residência Médica em Clinica Médica, Programa de Residência Médica em Hematologia e Hemoterapia), atividades de assistência em ambulatórios (gerais e específicos relacionados à anemia, distúrbios de leucócitos e plaquetas, trombose e distúrbios hemorrágicos, malignidades hematológicas) e em atividades de assistência hospitalar (atuação em Unidade de Terapia Intensiva, cuidados de pacientes portadores de doenças hematológicas benignas e malignas, cuidados de pacientes com alterações relacionadas ao sistema hematopoiético). Atua em gestão como coordenador da Unidade de Oncologia, Radioterapia, Hematologia-Hematologia e Hospital-Dia deste hospital desde 2017. Representante deste hospital na Comissão Municipal de Oncologia de Uberaba, MG.

  • Leonardo da Silva Almeida, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

    Cardiologista com formação pelo Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia (IDPC). Possui residência médica em Clínica Médica pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM). Graduado em Medicina pela Universidade de Uberaba. Possui Mestrado em Ciências Fisiológicas/área de concentração: Bioquímica (UFTM); Pós-Graduação em Docência no Ensino Superior (UFTM). Possui graduação em Enfermagem (UFTM) e graduação em Física pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Atua como médico preceptor no HC-UFTM e MPHU (Universidade de Uberaba); é médico plantonista da UTI-Santa Casa de Misericórdia de São Paulo.

Referências

Morley JE, Vellas B, van Kan GA, Anker SD, Bauer JM, Bernabei R, et al. Frailty consensus: a call to action. J Am Med Dir Assoc. 2013; 14:392-7.

Fried LP, Tangen CM, Walston J, Newman AB, Hirsch C, Gottdiener J, et al. Frailty in older adults: evidence for a phenotype. J Gerontol. 2001; 56:146- 56.

SHEPHARD. R.J. Envelhecimento, atividade física e saúde. São Paulo: Phorte, 2003.

HAYFLICK, L Como e porque envelhecemos. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

GALLAHUE, D.L. E OZMUN, J.C. Compreendendo o desenvolvimento motor: bebês, crianças, adolescentes e adultos. 3 a Edição. São Paulo: Phorte, 2005.

GORZONI, M.L. E RUSSO, M.R. Envelhecimento respiratório. In Freitas, E.V., Py, L., Neri, A. L., Cançado, F. A. X., Gorzoni, M.L. e Rocha, S.M. Tratado de Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 340-343, 2002.

Gabbai, A.A.; Schimidt, B.; Oliveira, A.S.B. Neuromuscular complications of the human immunodeficiency virus (HIV) infection. Escola Paulista de Medicina, 1999; 43(1): 56-60.

Arnaudo,E. ; Dalakas, M. ; Shanske, S. ; Moraes, C.T. ; DiMauro S., Schon, E.A. Depletion of muscle mitochondrial DNA in AIDS patients with zidovudine-induced myopathy.Lancet.1991;337:508-10

Ribeiro, J.P.; Chiappa, G.R.; Neder, J.A.; Frankenstein, L. Respiratory muscle function and exercise intolerance in heart failure. Curr Heart Fail Rep. 2009; 6:95-101.

Center For Disease Control. 2023. Disponível em: https://www.cdc.gov/about/index.html. Acesso em: 22 nov. 2023.

World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report of a WHO Consultation on Obesity. Geneva: WHO; 1988.

I CONSENSO BRASILEIRO SOBRE ESPIROMETRIA. J Pneumol, 1996; 22(3):105-64.

Black, L.F.; Hyatt, R.E. Maximal respiratory pressures: normal values and relationship to age and sex. American Review Respiratory Disease; 1969; 99: 696 – 702.

ATS Committee on Proficiency Standards for Clinical Pulmonary Function Laboratories. ATS statement: guidelines for six-minutes’ walk test. Am J Resp Crit Care Med;2002;166(1): 111-17.

Guilhem, D. Escravas do Risco: Bioética , Mulheres e Aids. Brasilia, UnB, 2005.

Marangoni, D.V.; Schechter,M. Doenças infecciosas: conduta diagnóstica e terapêutica. 2ª Ed. Guanabara Koogan, 1998.

Deresz, L.F.; Lazzarotto, A.R.; Manfroi, W.C.; Gaya, A.; Sprinz, E.; Oliveira, A.R.; Dalla´go, P. O estresse oxidativo e o exercício físico em indivíduos HIV positivo. Rev Bras Med Esporte; 2007; 13(4):275-79.

Singer P, Katz DP, Dillon L, Kirvelä O, Lazarus T, Askanazi J. Nutritional aspects of the acquired immunodeficiency syndrome. Am J Gastroenterol. 1992; 87(3 Suppl): 265-73.

Gramlich LM, Mascioli EA. Nutrition and HIV infection. J.Nutr Biochem. 1995; 6(1):2-11.

Laghi F, Tobin MJ. Disorders of the respiratory muscles.Am J Respir Crit Care Med. 2003; 168:10-48.

Oursler, K.K.; Katzel, L.I.; Smith, B.A.; Scott, W.B.; Russ, D.W.; Sorkin, J.D. Prediction of cardiorespiratory fit ness in older men infected with the human immunodeficiency virus: clinical factors and value of the six-minute walk distance. J Am Geriatr Soc. 2009; 57:2055-2061.

Amadou, A.; François, D.; Dequae-Merchadou, L.; Haverkamp,G.;Hudgens, M.; Hughes, J.; Karon, J.; Leroy, V.; Newell, M.L.; Richardson, B.; Weverling, G.J. Estimating the efficacy of interventions to prevent mother-to-child transmission of HIV in breast-feedingpopulations: Development of a consensus methodology. Stat Med, 2001; 23:3539–3556.

Anzueto, A.; Supinski, G.S.; Levine, S.M.; Jenkinson, S.G. Mechanisms of disease:are oxygen-derived free radicals involved in diaphragmatic dysfunction? Am J Respir Crit Care Med. 1994; 149:1048-1052.

Pothoff. G.; Wassermann, K.; Ostmann, H. Impairment of exercise capacity in various groups of HIV-infected patients. Respiration.1994; 61:80–85.

Perna, F.M.; Laperriere, A.; Klimas, N.; Jronson, G.; Perry, A.; Pavone, J.; et al. Cardiopulmonary and CD4 cell changes in response to exercise training in early symptomatic HIV infection. Med. Sci. Sports Exerc. 1999; 31:973–979

Stringer, W.W.; Mechanisms of exercise limitation in HIV+ individuals. Med. Sci. Sports Exerc. 2000; 32:412-421.

Keyser-Tracqui, C.; Crube, E.; d Ludes, B.; Nuclear and Mitochondrial DNA Analysis of a 2,000-Year-Old Necropolis in the Egyin Gol Valley of Mongolia. Am. J. Hum. Genet. 2003;73:247–260.

Anzueto, A.; Andrade, F.H.; Maxwell, L.C.; Levine, S.M.; Lawrence R.A.; Jenkinson, S.G. Diaphragmatic function after resistive breathing in vitamin E-deficient rats. J Appl Physiol.1993; 74:267-71.

Diaz,P.T.; She, Z.W.; Davis, W.B.; Clanton, T.L.; Hydroxylation of salicylate by the in vitro diaphragm: evidence for hydroxyl radical production during fatigue. J Appl Physiol.1993; 75:540-45

Reid, M.B.; Stokic, D.S.; Koch, S.M.; Khawli, F.A.; Leis, A.A. N-acetylcysteine inhibits muscle fatigue in humans. J Clin Invest. 1994;94:2468-74.

Downloads

Publicado

2024-01-31

Como Citar

NASCIMENTO ZANATA DOS SANTOS, Igor Miguel et al. Força muscular respiratória e capacidade física funcional de indivíduos idosos com hiv/sida. Revista Sociedade Científica, [S. l.], v. 7, n. 1, p. 455–467, 2024. DOI: 10.61411/rsc20246217. Disponível em: https://journal.scientificsociety.net/index.php/sobre/article/view/62.. Acesso em: 24 fev. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)